Haddad não é Aécio, nem Bolsonaro. Derrotado, porta-se como um democrata

44966242_10215353017731087_1748168400913301504_n
O democrata Fernando Haddad e sua companheira de chapa Manuela d’Ávila: o primeiro exemplo de que somos diferentes dos fascistas está em reconhecer a derrota, virar a página , seguir em frente e lutar no voto para retomar os rumos do país à paz social. Enquanto Haddad voltou a dar aulas, o Posto Ipiranga de Bolsonaro, Paulo Guedes, deu seu primeiro piti só porque foi perguntado por uma jornalista argentina sobre Mercosul, que para ele deve ser um palavrão

Jair Bolsonaro retribuiu com ironia aos cumprimentos que o candidato derrotado do PT a presidente, Fernando Haddad, lhe enviou nesta segunda-feria, 29. Pelo Twitter, Bolsonaro respondeu: “Senhor Fernando Haddad, obrigado pelas palavras! Realmente o Brasil merece o melhor”. Mais cedo, Haddad havia escrito: “Presidente Jair Bolsonaro. Desejo-lhe sucesso. Nosso país merece o melhor. Escrevo essa mensagem, hoje, de coração leve, com sinceridade, para que ela estimule o melhor de todos nós. Boa sorte!”, disse Haddad, que recusou-se a repetir o tucano golpista Aécio Neves que, desde a eleição de Dilma Rousseff, nas últimas eleições presidenciais, prometeu lutar para derruba-la- e foi o que fez com o apoio da cúpula do PSDB e do PMDB de Michel Temer e Eduardo Cunha.

captura-de-tela-2018-10-28-axxs-20.04.49.png
Conto de Aia a la Bolsonaro. A cena patética do primeiro pronunciamento do ex-capitão e fascista de plantão eleito, entre o cantor gospel e tarado fundamentalista Magno Malta, com a camisa da seleção, e o ator pornô Alexandre Frota, procurando novas “Brasileirinhas”. Como escreveu Milton Hatoum: “Pareciam membros de uma seita religiosa fundamentalista e não dirigentes de um Estado laico”. Brasil no fundo do poço.

Como agradar a todos é impossível, lideranças petistas, como Valter Pomar, criticaram o candidato do PT, acreditando que não deveria ter cumprimentado o candidato eleito do PSL. Haddad também foi criticado por eleitores dos dois lados da esfera política. Mas também foi muito elogiado pelo gesto digno. Até onde me lembro, isso o que Haddad fez se chama respeito à democracia. O mal está instalado, mas não adianta dar uma de avestruz. A resposta agora é na oposição, na vigilância democrática e no voto.

Captura de tela inteira 29102018 174008.bmp
Haddad, que não é o golpista Aécio Neves, nem o fascista Bolsonaro, cumprimenta, democraticamente, Bolsonaro pela vitória, chamando-o de “presidente”, e recebe uma resposta escrota do ditador eleito. Foi criticado até por petistas, que preferem dar uma de avestruz e fingir que o mal já não está está instalado, mas foi eleito e precisa ser derrotado no voto

Recordar é viver. Após o pleito de 2014 – quando Dilma venceu Aécio por 54 milhões de votos contra 51 milhões de votos dados ao helicopter junkie -, o PSDB entrou com um bizarro pedido de auditoria nas urnas eletrônicas – lembra alguém que andou duvidando das urnas até recentemente?. A partir do início de 2015, ao ser reeleito presidente do PSDB, o então senador e hoje deputado pé-de-chinelo afirmou, em convenção do partido, que Dilma Rousseff não concluiria seu mandato. E repetiu a ladainha de que perdeu as eleições presidenciais para “uma organização criminosa”, e não para um partido político, o que logo seria substituída pela farsa das pedaladas fiscais, com Eduardo Cunha, com TCU, com STJ, com Supremo, com tudo. Em entrevista publicada ao Estado de S.Paulo em setembro passado, Tasso Jereissati, ex-presidente nacional do PSDB, admitiu que o partido cometeu “um conjunto de erros memoráveis” em sua trajetória recente, o que inclui a contestação ao resultado da eleição presidencial de 2014. Tasso afirmou que o PSDB foi “engolido pela tentação do poder” ao se aliar a Michel Temer (MDB) após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), e também reconheceu que os tucanos abandonaram “princípios básicos” do partido só para fazer oposição ao PT. Será que alguém acha que Haddad e o PT deveriam agora se unir a Ciro ou a Alckmin para contestar o resultado das urnas? Particularmente, não acho que o governo Bolsonaro dure muito e que vai ser escorraçado pelas ruas e pelo Congresso em um processo de impeachment. Fora isso, é urna, é voto.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s