Quem será a nova Soninha Carneiro?

Em 1992, acordávamos e dormíamos consumindo boatos, em um país que, depois de uma eleição com pegada obscurantista, vivia um clima explícito de medo. Na época, não se chamavam fake news e eram disseminados no boca a boca, sem Whatsapp ou redes sociais. Governo Fernando Collor de Mello. Você vai notar algumas semelhanças com os tempos modernos. Jovem, alimentava a fama de machão – “saco roxo”, alguém lembra? -, falava grosso, foi eleito por um pequeno partido, sem base no Congresso, o PSL, digo, PRN, assumiu com a bandeira do combate à corrupção, antes de se enrolar nela – Veja foi a primeira a lançar sua candidatura à Presidência em 1989 com a capa “O caçador de marajás”. O objetivo era evitar a vitória do operário Lula -, tinha discurso conservador nos costumes, prometeu, e fez, uma guinada na economia para “salvar o país” – Zélia Cardoso de Mello, Plano Brasil Novo, ou Plano Collor, ou apenas confisco da poupança e de todas as aplicações financeiras -, buscava ostentar saúde e expor disposição física em corridas nos finais de semana. Eram os plantões na Casa da Dinda, talvez os momentos menos edificantes de minha vida profissional. Preferia o marasmo do Alvorada. Preferia as emas. Com Collor, que morava na Dinda, no Lago Norte, era esperar os portões abrirem, já com alguma claque de “colloridos” do lado de fora – os “bolsominions” da época -, pessoas muito religiosas e com viés fascista – e, vupt, lá saia ele correndo cercado de seguranças, geralmente com alguma mensagem na camisa – que tínhamos que descobrir qual – e íamos nós atrás, repórteres, fotojornalistas e cinegrafistas (estes últimos com seus pesados equipamentos). Terno, gravata, suor, torcer por uma entrevista, manchete garantida no dia seguinte. Collor tirou aliança, recolocou aliança. Quem entra, quem sai. Suquinho pra imprensa – só durou até virarmos os inimigos.

Imagens temporárias 9_-001
Collor na campanha, atirando (sem gesto com os dedinhos) – na época os militares ficavam atrás, não do lado -,  correndo com um bando de jornalistas atrás, e em cerimônia religiosa na Casa da Dinda; Zélia Cardoso de Mello, a “musa” do Plano Collor; e Collor e a fã Claudia Raia, ambos vítimas de boatos

Era setorista do Palácio do Planalto. Haviam muitos “padeiros” lá na época, gente competente, gente incompetente, e os puxa-sacos de sempre. O país falava muito em corrupção – pequenas denúncias que depois virariam uma avalanche que levariam ao impeachment de Collor. Pedro Collor, PC Farias – assassinato de PC Farias -, Tereza Collor, Fiat Elba, LBA, Rosane Collor, Eriberto Freire França, Operação Uruguai, CPI, caras-pintadas. Collor durou de março de 1990 a 29 de dezembro de 1992, quando renunciou, ao mesmo tempo em que era impichado. Só haviam dois assuntos rivalizando com política e economia nessa época. Um foi o assassinato da atriz Daniela Perez por Guilherme de Pádua, quase ao mesmo tempo que o impeachment. A dupla contracenava na novela “De Corpo e Alma”, da TV Globo, escrita por Glória Perez, mãe de Daniela. O outro era Aids – chamada pelos religiosos vigilantes da sexualidade alheia de “peste gay” – nada mais equivocado e preconceituoso. Sim, jovens, os gays, hoje LGBTs, ou – atualizando – LGBTQ+, já eram perseguidos. Muito. No dia 7 de julho de 1990, Cazuza morreu aos 32 anos por um choque séptico causado por complicações do vírus da Aids. No dia 24 de novembro de 1991, o vocalista da banda britânica Queen, Freddie Mercury, morreu aos 45 anos de idade – não deixe de ver o filme sobre sua vida. No dia 12 de setembro de 1992, morreu, aos 60 anos, o ator Anthony Perkins, conhecido por dar vida ao papel do vilão Norman Bates, do filme “Psicose”, de Hitchcock. O país falava muito disso em 1992 – haveria um surto mundial após a morte do astro de Hollywood, Rock Hudson, anos depois. Surgiam boatos/fake news sobre pessoas com Aids. A maioria falsos. Claudia Raia, apoiadora de Collor, foi vítima disso. O boato foi tão devastador que ela fez um teste e mostrou o resultado numa entrevista coletiva. Não tinha Aids, tida naqueles anos como sentença de morte irreversível.

Ela tinha mais visibilidade do que Regina “Eu tenho medo” Duarte porque haviam boatos sobre ela e Collor. E Collor caiu na rede das fofocas. Alimentada – e testemunhei isso, era real – por um emagrecimento repentino do chefe de Estado, que perdera 12 quilos em poucos meses e estava com o rosto cadavérico. Estaria ele doente? Para a mídia, havia duas maneiras de lidar com isso: ignorar solenemente, ou seja, se omitir – o que todos nós fizemos, entre coniventes ou encagaçados de perguntar isso para o homem do “saco roxo”; ou perguntar na lata, sem rodeios, enfrentar a fera, recolocar os fatos como fatos e os boatos como boatos. Eu vejo hoje os jornalistas que “cobrem” Bolsonaro, já imaginando quais serão escalados pra o futuro Comitê de Imprensa, e farejo o mesmo medo. Medo de perguntar. Medo de fazer as perguntas que tem que ser feitas. Expor contradições. Fazer seu trabalho. Eu tive medo, sei o que é ter medo. É mais fácil fazer as perguntas fáceis, não se expor – inclusive com o seu veículo -, manter a credencial, garantir o emprego, não queimar as fontes palacianas, não virar persona non grata. É difícil ser um Jim Acosta, o repórter que enfrentou Trump – no bom sentido jornalístico disso -, ao insistir em uma pergunta sobre a caravana de imigrantes da América Central que estava a caminho dos EUA. “A CNN deveria ter vergonha de ter você trabalhando para eles. É uma pessoa terrível e mal-educada”, esbravejou Trump. Claro que é preciso ter retaguarda pra isso, e não vejo essas escoras firmes hoje em nossa mídia. A CNN, ao contrário, decidiu processar o presidente norte-americano e vários assessores da Casa Branca na sequência da retirada das credenciais ao jornalista Jim Acosta.

Imagens temporárias 9_-002
Jim Acosta pergunta, Trump ofende. Jornalista foi descredenciado e CNN decidiu processar o presidente. Você imagina isso aqui?

Naquela época de Collor, só uma pessoa tinha coragem para perguntar, sem ofender, sem ser agressivo, sem se borrar, apenas fazendo a pergunta que tinha que ser feita. Sônia Carneiro, repórter da Rádio JB. Soninha é uma lembrança doce dos tempos de cobertura no Planalto, em Brasília. Ela fazia as perguntas mais desconfortáveis como se fossem triviais. Sem querer aparecer. Apenas porque sabia que era para isso que estava lá, e não curtindo os filhos em casa. Era final de 1991, ou começo de 1992, e Sônia Carneiro perguntou. Sem floreios. Se Collor tinha Aids. Soninha não foi descredenciada. Não teve dedo apontado na cara. Não ouviu desaforos. Agradeceu a pergunta – acho que rolou um “Só você, Soninha…” – e respondeu que estava mais magro por causa das “inúmeras atividades”. Não sei se acreditei na resposta, mas eu e todos ali respiramos aliviados. E passamos a admirar ainda mais Soninha. Os temas mudam, as pautas mudam, mas continuamos precisando de repórteres corajosos, por mais próximos que estejam do poder. Quando penso em Soninha, quando penso em Jim Acosta, não consigo deixar de pensar que, um quarto de século depois, precisamos de gente com bravura para perguntar. Um exército de Soninhas. Mas sinceramente, não vejo.

Um comentário em “Quem será a nova Soninha Carneiro?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s