A falta que faz um João Saldanha… E como Bolsonaro reviveu Médici

“O general nunca me ouviu quando escalou seu Ministério. Por que, diabos, teria eu que ouvi-lo agora?”
João Saldanha, então técnico da seleção brasileiras nas eliminatórias de 1969, respondendo a comentário do presidente da República, general Emílio Garrastazu Médici, que resolveu “escalar” Dario “Peito de Aço”. João foi demitido. Zagallo assumiu.

1969. João Saldanha e suas 22 feras. Depois do fiasco de 66, na Inglaterra — quando os bicampeões foram eliminados na primeira fase do Mundial, após duas surras para Hungria e de Portugal — só mesmo um time de feras para recuperar o prestígio de nosso futebol. Saldanha, à época o jornalista esportivo mais respeitado do país – e o foi até sua morte -, convocado para dirigir o scratch nas eliminatórias, aceitou o desafio. Mas não era só isso, infelizmente, que vivíamos fora de campo. Saldanha sempre teve noção da encruzilhada em que se colocara: a chance profissional de sua vida e a convivência com um regime de exceção, com influências, inclusive, na CBD – hoje CBF. O “João sem medo” vivia no “País com Medo” – para os militares, o país que “ninguém segura”. De convicções políticas claras — era comunista — João nunca se dobrou à ditadura militar que governava o país. Algum tempo depois foi demitido e começava a Era Zagallo – que talvez ainda não tenha acabado. Era Dunga, Família Scolari. E no meio Coutinho, Lazaroni, Luxemburgo, Leão, Mano e, agora, Tite- com um gênio no meio deles, Telê Santana. O país deixou para trás a ditadura e, aos trancos e barrancos, vem tentando se manter a democracia, mas no futebol, jogadores e dirigentes, seguem servindo ao “general” de plantão. Ainda que ele seja um ex-capitão.

Esse fim de semana, revimos a família Scolari, com o treinador dessa vez encastelado no Palmeiras, merecido campeão brasileiro. Mas que vergonha me deu ao ver o presidente eleito Jair Bolsonaro, palmeirense de ocasião, depois de assistir o “jogo da taça” no camarote dos dirigentes palmeirenses, descer ao gramado, com o crachá da CBF, vestindo a camisa 10 do Palmeiras e erguendo a taça de campeão brasileiro. Os gritos de “mito” por parte dos 41 mil torcedores que lotaram o Allianz Parque –  construído pela WTorre, envolvida na Lava Jato – para o último jogo do campeonato, foram ressaltados pela mídia, que preferiu ignorar os opositores – o toque distópico nesse pesadelo em que nos metemos. Assim como tratar como normal que um presidente eleito com bolsa de colostomia e tudo possa fazer essa farra – erguer taça, dar volta olímpica, que diabo de facada foi essa? Como não lembrar do general Emílio Garrastazu Médici – que, como Bolsonaro, parecia gostar honestamente de futebol – erguer a depois ‘derretida’ taça Jules Rimet ao lado de Pelé, Carlos Alberto e seus “canarinhos” apolíticos.

Ser apolítico em meio a uma ditadura sanguinária é como ser assexuado no meio de uma suruba do fim do mundo.

Ministerio Bolsonaro1-001.jpg
Um caleidoscópio: De Médici a Bolsonaro. Palmeirense fake, o vascaíno Bolsonaro usou final do campeonato como estratégia de marketing. Mas aparentemente ele veste até a camisa do Íbis pra ganhar popularidade. Felipão e Felipão Melo batem continência, Bigode passa direto.

Médici era da “linha dura”, a ala mais radical dos militares. Seu governo foi, talvez, o mais repressivo da história política do Brasil, resultando na morte e tortura de centenas de oposicionistas, acusados ou suspeitos de “subversão”. Foi também um período em que parte da oposição decidiu partir para a luta armada. E veio  a Copa de 70. Criou-se um paradoxo nacional, bem retratado no filme “Pra frente, Brasil”. A associação com quem o futuro presidente que admira o regime militar que torturou, matou, censurou e exilou só mostra que o futebol – seus jogadores e dirigentes – não aprendeu nada com a história. Fernando Henrique Cardoso, em seu turno, ergueu a Taça Fifa, abraçou Ronaldinho ‘Cascão’ e festejou com Ricardo Teixeira – um dos três ex-comandantes da CBF (Ricardo Teixeira, Marco Polo Del Nero e José Maria Marin) presos e acusados de lavagem de dinheiro, estelionato, crime contra a ordem tributária, crime contra o sistema financeiro nacional, organização criminosa e crime eleitoral. Lula fez o mesmo com a taça da Copa América, em 2004.

Não se sabe há quanto tempo o carioca Bolsonaro é palmeirense – mas, digamos, ele se converteu na hora certa. Aparecer no último jogo do Brasileirão, com o Palmeiras já campeão – o ex-presidente Lula é uma corintiano fanático -, foi uma boa jogada. Não se tem notícias de que levou vaias. Mas memes nas redes sociais o mostravam como uma metamorfose ambulante: com camisas de diversos times, especialmente o Rio e de São Paulo – Flamengo, Vasco Fluminense, Corinthians, etc. O volante Felipe Melo, que durante a campanha eleitoral já havia dedicado um gol a Bolsonaro – esse ogro ainda surpreende alguém? – prestou continência ao capitão. Mas em cenas vistas e revistas nas redes, é possível perceber que pelo menos um jogador do Palmeiras, por distração ou convicção, deixou Bolsonaro no vácuo, rindo sozinho. William Bigode passou batido por Bolsonaro, e sequer o cumprimentou na entrega das medalhas. Já temos nosso jovem Saldanha. Será ele expurgado do Palmeiras?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s