Bolsonaro elege Alexandre Garcia youtuber favorito em nova estratégia nas redes sociais

Se você tinha dúvidas do destino de Alexandre Eggers Garcia, funcionário dedicado da Rede Globo durante 31 anos, ajudando a emissora a manter-se sempre colada em quem estivesse no Planalto – exceto pelo período petista – e, claro, com grande faturamento comercial, não precisa ter mais. Garcia, que antes de ir para a Globo foi porta-voz do último presidente do período da ditadura militar do Brasil, general João Batista Figueiredo, de onde foi exonerado devido à repercussão da entrevista “O Porta-Voz da Abertura” para a revista “Ele & Ela” em que se apresentava deitado em uma cama de cuecas, é o novo darling de Bolsonaro. Não que Olavo de Carvalho tenha perdido o posto de guru, mas Garcia mora em Brasília, conhece como poucos os subterrâneos do poder, enquanto Olavo está entrincheirado em Richmond, no estado norte-americano de Virgínia. Depois de convidar o “jornalista” para sentar-se ao seu lado no café do manhã que fez com jornalistas, no dia 01/03, Bolsonaro postou no final da manhã desta segunda, 04, um convite aos seus seguidores: “Inscreva-se no canal do youtube do jornalista @alexandregarcia e tenha conhecimento de assuntos importantes do cotidiano político brasileiro”.

Captura de tela inteira 04032019 134753.bmp
Bolsonaro convida seus seguidores a passar a acompanhar o novo youtuber Alexandre Garcia

Garcia, que sempre teve um lado na cobertura do poder – o lado do poder, claro -, não veio para nomear ministros, como os dois patetas – Ricardo Vélez-Rodríguez e Ernesto Araújo – indicados pelo guru Olavo de Carvalho. Ele veio como parte de uma, a essa altura evidente, estratégia montada pelo bunker de comunicação de Bolsonaro, do qual faz parte seu filho Carlos, para agregar um grupo de jornalistas famosos oriundos da mídia “tradicional”, a mesma que até há pouco desprezava, e que passaram a ocupar pontos chave na internet – com canais no youtube e blogs. Basta dar uma olhadinha na mesa de convidados de Bolsonaro (feitas as exceções de praxe). Se o PT tinha seus “blogueiros sujos” – nome jocoso, e aceito de forma bem-humorada pelos próprios -, Bolsonaro está criando seus “blogueiros limpinhos”, cheirosos e ansiosos pela abertura do cofre da publicidade.

57
Quando um governante, que despreza a mídia, sugere um canal de informação, tem alguma coisa muito errada. A única certeza é que ela não é confiável.

Os adjetivos, claro, estão invertidos – mas o que não está invertido nesse país desde a deposição de Dilma Rousseff, camuflada de impeachment por pedaladas fiscais? Ao tornar Alexandre Garcia o cabeça de seus “blogueiros limpinhos”, e, evidentemente, ajudar a promovê-los com as verbas da Comunicação (é só esperar pra ver), Bolsonaro parte para uma estratégia pelo menos mais sutil do que a volta da “Semana do Presidente”, proposta por Silvio Santos. Como destacou Ali Kamel, diretor de jornalismo da Globo, Alexandre deixou uma folha única de “serviços prestados”. Pode-se dizer, sem medo de errar, que conhece tudo sobre as relações da Globo com o poder – e consequentemente, do poder com a mídia. Entrou na Globo em março de 1988. Na emissora, foi diretor de jornalismo antes de se tornar comentarista político e apresentador. Atualmente, atuava como comentarista político do Bom Dia Brasil e, não raro, estava na bancada do Jornal Nacional. Foi um dos mediadores do debate entre os presidenciáveis Luiz Inácio Lula da Silva e Fernando Collor, em 1989, cuja edição manipulada, leva ao ar no dia seguinte no Jornal Nacional, é uma dessas excrescências que nunca se apaga. De resto, Alexandre usava o espaço disponível, inclusive nos telejornais de Brasília, para arrotar moralismo e cagar regras.

Este slideshow necessita de JavaScript.

No final do ano passado, descumpriu os Princípios Editoriais da emissora ao apoiar publicamente o presidente eleito Jair Bolsonaro em um post no Facebook – a emissora proibiu expressamente seus jornalistas de se engajar em campanhas políticas, anunciar apoio, etc. Não serviu para Garcia, que escreveu que a eleição de Bolsonaro representava “uma revolução de ideias”. O então presidente eleito, conhecido por criticar a imprensa e a própria Globo, agradeceu publicamente a Garcia. Estava dada a senha. Garcia começou mostrando que, livre de amarras corporativas, e com a ética que lhe é peculiar, partirá para um vale tudo. O ex-rei da Globo postou no Twitter um comentário nada menos que escroto sobre Lula e a ida ao velório de seu neto de 7 anos. “Como estará agora a cabeça do ex-presidente condenado, de volta ao quarto onde cumpre o primeiro de 25 anos? Depois de um dia com a tristeza da perda do neto, mas também o gostinho efêmero da liberdade e dos aplausos? Para todos os que mexem com o que é público pensarem”, postou Alexandre Garcia no Twitter. É só o começo.

Um comentário em “Bolsonaro elege Alexandre Garcia youtuber favorito em nova estratégia nas redes sociais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto:
search previous next tag category expand menu location phone mail time cart zoom edit close