A virada começou. Haddad será presidente

Não, não sou vidente. E obviamente nesse título tem voto, tem torcida e tem uma mensagem para você: não desmobilize. Não vá na onda dos institutos de pesquisa, relativize o que você lê na mídia tradicional, ignore as fake news, tente reverter um voto que seja – começando dentro de casa – e não deixe de votar no domingo, 28. Em Haddad e Manu, obviamente. Mas também não é só torcida. A visão emocionante da multidão nos Arcos da Lapa, no Rio, na terça, 23, mais do que um ato de enorme simbolismo e exemplo para o país, chamado não por acaso de “Ato da Virada” em apoio a Fernando Haddad, encharca os democratas – não apenas esquerdistas, a luta se tornou maior, você sabe disso – de esperança e respaldam um sentimento de há uma mudança no ar. Haddad e Manu tornaram-se maiores do que Lula e o PT – vejam que forma tortuosa de minimizar o antipetismo insuflado pela mídia, pelos eleitores que tiraram o ódio do armário e pelo exército de fake robôs tolerados pela Justiça Eleitoral, agredida nesta reta final até o limite do intolerável. Tornaram-se a única alternativa ao ao ódio, ao preconceito e ao retrocesso representados, com todas as medalhas coloridas e sem glória, pelo casal 20 do fascismo Bolsonaro-Mourão. Os apoios enrustidos de Ciro Gomes e Marina Silva – “apoio crítico” numa hora dessas é quase omissão – ajudaram, assim como o apoio de peito aberto de Guilherme Boulos. Mas, propaganda eleitoral à parte, foram Bolsonaro, filhos e apoiadores que têm feito o trabalho de desconstrução de si mesmos – ao contrário do papelão do PT com Marina Silva nas eleições passadas -, mostrando-se sem pudor com os antidemocratas que são. Sim, eles são assustadores. Sim, eles representam a volta às trevas.

Para não dizerem que não falei de números, usemos a matemática insuspeita de quem não quer a virada – mas não pode se desmoralizar. A vantagem de Bolsonaro sobre Haddad nas intenções de voto espontâneas caiu sete pontos porcentuais entre as duas pesquisas realizadas pelo Ibope no segundo turno. Embora mantenha a liderança em todas as abordagens, o Coiso teve uma queda mais acentuada nas menções em que os entrevistados dizem em quem pretendem votar sem serem estimulados com os nomes dos candidatos. Passou de 47% das intenções de voto espontâneas na pesquisa divulgada em 15 de outubro para 42% no levantamento divulgado na terça, 23. Caiu, inclusive, entre os evangélicos – apesar dos esforços dízimos de Edir Macedo, Universal e Record. O sincericídio torpe da trupe da caserna parece estar vencendo os púlpitos. Haddad, por sua vez, passou de 31% para 33% entre as duas pesquisas — a diferença entre os dois caiu de 16 para 9 pontos porcentuais. A movimentação dos dois candidatos também se repetiu nos votos válidos, que leva em conta a pesquisa estimulada e descarta os votos em branco, nulos e indecisos. Bolsonaro passou de 59% para 57% enquanto Haddad foi de 41% para 43%. No quesito rejeição – esse é um dado crucial porque ajuda a mergulhar o pântano dos indecisos, por mais filtros que se coloque – Bolsonaro subiu de 35% para 40%, salto de 5 pontos percentuais. Em contrapartida, a rejeição a Haddad diminuiu de 47% para 41%, baixando 6 pontos, números que favorecem o candidato da Coligação “O Povo Feliz de Novo”.

Tem mais. Enquanto Haddad segue massacrando Bolsonaro no Nordeste, o que tende a ser ampliado no mata-mata do segundo turno, a guerra do Sudeste-Sul também dá sinais sólidos de mudança. Na capital de São Paulo, o ex-prefeito Haddad já aparece com 51% dos votos válidos, ultrapassando os 49% dos votos de Bolsonaro – segundo o mesmo Ibope. Algo está se movendo e, no caso de São Paulo, já foi apelidado pela mídia de “Bolsodoria”. O voto casado em Bolsonaro para presidente e Doria para governador, micou. Segundo o Ibope, a dupla Fascistão e Milionário tem nesse momento pior desempenho entre os paulistanos do que entre os moradores do interior de São Paulo. Na capital paulista, Haddad chega a estar numericamente à frente de Bolsonaro, enquanto Márcio França, candidato do PSB e adversário de Doria na disputa estadual, lidera com 18 pontos de vantagem em relação ao tucano. Memória breve: Doria renunciou ao cargo de prefeito para disputar o governo do estado pouco mais de um ano depois de assumir, em 2017, mesmo tendo se comprometido a ficar na prefeitura até o fim do mandato. A onda de ódio espalhada pelo capitão-fujão de debates incomodou de tal forma que o ex-governador de São Paulo e ex-presidente do PSDB Alberto Goldman afirmou nesta quarta, 24, que irá votar em Haddad para presidente. Em um vídeo e texto publicados em sua página no Facebook, Goldman disse que “votará em Fernando Haddad contra a ameaça aos valores democráticos”. Dessitiu de votar nulo. Mais gente insuspeita tem feito essa reflexão.

Enquanto isso, naquele país que corremos o risco de ser amanhã – e onde até a mídia do país compara Trump a Bolsonaro – o envio de pacotes com explosivos direcionados a críticos do presidente norte-americano está consternando a sociedade norte-americana. A distribuição dos artefatos começou na segunda, 22, e teve como alvos membros ou apoiadores do Partido Democrata – oposição a Trump. Depois disso, foram “presenteados” George Soros, doador de campanha dos democratas, no estado de Nova York, o ex-presidente Bill Clinton r Hillary Clinton, adversária de Trump nas eleições de 2016, e o escritório do ex-presidente Barack Obama. “Violência política não têm lugar nos EUA”, diz agora Trump, porteira arrombada. Alguém aqui se lembra como Bolsonaro começou a aparecer na mídia?

Apocalipse: Ibope aponta vantagem dos mortos-vivos. Só resta a Ciro parar de pensar com o fígado e usar a cabeça. E Haddad trocar o coração pelos punhos

Por mim, bastava o título, mas, mesmo cansado, vou escrever um pouco mais. Não vou entrar no armário da pesquisa Ibope desta noite, “a primeira pesquisa de intenção de voto para presidente no 2º turno”, destaque na escalada do Jornal Nacional, manchete de todos os jornais amanhã, festa na bolsa, o mercado tendo orgasmos múltiplos, as multinacionais do petróleo dando banquetes, o comando das Forças Armadas vertendo lágrimas em suas fardas com medalhas sem guerra. Ou vou. Um pouquinho. O resultado  – partindo da premissa de que os números são confiáveis e não estratégia de desmobilização – quase confirma, há duas semanas das eleições, o apocalipse zumbi com a volta dos mortos vivos fardados, junto com os neoliberais disfarçados com sangue e tripas (alguém aqui assiste Walking Dead?), com capitães mandando em generais, economistas medíocres se lambuzando com planilhas, e eleitores mostrando que o antipetismo evoluiu para uma imbecilidade política que beira a demência. De resto, é ditadura igual, e, se não questiono a urna eletrônica, ao contrário do Bolsonaro – não mais, pelo jeito -, questiono a inteligência de quem a usa. Se, e se, os resultados do ibope – e pesquisas similares – estiver correto.

Imagens temporarias 8.jpg
No Dia dos Professores, o professor Haddad homenageou os mestres, deu entrevistas defendendo a educação em tempo integral – o que a mídia distorceu como condenação ao ensino à distância -, e defendeu investimentos nas universidades públicas – o que a mídia viu como atestado de ociosidade dessas instituições. Jair Bolsonaro visitou o Bope (Batalhão de Operações Especiais) no Rio de Janeiro e antecipou que um general reacionário que defende revisar currículos e bibliografias usadas nas escolas, que pode ser seu ministro da Educação. Ciro? Ah, Ciro viaja…

Nos votos válidos, os resultados foram os seguintes, segundo o Ibope: Jair Bolsonaro (PSL): 59%, Fernando Haddad (PT): 41%. A rejeição a Haddad (“Não votaria nele de jeito nenhum”) chega a 47%, ultrapassando os 35% de Bolsonaro. Como é que é? Isto não é uma pesquisa, é um diagnóstico de tumor. Coordenador da campanha de Fernando Haddad à Presidência, o ex-governador da Bahia e senador eleito Jaques Wagner afirmou que a melhor estratégia para uma vitória na corrida presidencial seria o lançamento de Ciro Gomes (PDT) ao Palácio do Planalto. Peraí, o que eu não entendi? É fogo amigo ou traição – pura e simples? Ou existe mesmo um plano para levar Ciro Gomes triunfante de seu exílio de uma semana na Europa para transforma-lo no candidato da “frente-de-centro-esquerda-capaz-de-derrubar-o-fascista-bolsonaro”? Foi proposta da ex-candidata a vice de Ciro, senadora Katia Abreu, que sugeriu a substituição de Haddad por Ciro Gomes para “garantir a eleição”. Qual o jogo de Wagner? Qual o jogo de Ciro? Os eleitores do PT e de Ciro concordam com isso? Agora? Isso já não é curso de línguas, é aprender chinês em 15 dias.

Era o Dia dos Professores, e o professor Haddad deu entrevistas defendendo a educação em tempo integral – o que a mídia distorceu como condenação ao ensino à distância -, e defendeu investimentos nas universidades públicas – o que a mídia viu como atestado de ociosidade dessas instituições. Jair Bolsonaro visitou o educativo Bope (Batalhão de Operações Especiais) no Rio de Janeiro, uma das polícias mais truculentas do mundo – incensada pelo “Tropa de Elite” de Padilha, de “O Processo” -, e antecipou que um general reacionário pode ser seu ministro da Educação. Trata-se do general Aléssio Ribeiro Souto, já velho conhecido da campanha, que diz que “é muito forte a ideia” de se fazer ampla revisão dos currículos e das bibliografias usadas nas escolas para evitar que crianças sejam expostas a ideologias e conteúdo impróprio. Ele defende que professores exponham a “verdade” sobre o “regime de 1964” – revisionismo histórico, 1984, George Orwell, já falei disso aqui -, narrando, por exemplo, mortes “dos dois lados”. Ex-chefe do Centro Tecnológico do Exército, foi chamado a coordenar debates de ciência e tecnologia, mas acabou acumulando educação “por afinidade”. Contrário à política de cotas, defendeu o Estado de S.Paulo a “prevalência do mérito” e disse que, se a ideia for aceita por Bolsonaro, serão estudadas medidas “não traumáticas” para substituir as regras”.

Em entrevista à Rádio Jornal, de Barretos, Bolsonaro resumiu: o objetivo de seu governo é fazer “o Brasil semelhante àquele que tínhamos há 40, 50 anos atrás”. É um visionário, com os olhos no retrovisor. Estamos fodidos se esse cara for eleito. Até esse momento, a campanha torpe de Bolsonaro, rei das fake news, fujão de debates, conseguiu amplificar a PTfobia, e os petistas não conseguiram desconstruir a farsa que é Bolsonaro, nem contaram com os aliados de quem esperavam, pelo menos, decência.

Ignore o Ibope. Haddad não caiu, “coiso” não cresceu e seu cérebro não encolheu

Eu pergunto: o que aconteceu nos últimos dias, nas últimas horas, que pudesse ter prejudicado a candidatura Haddad? Rigorosamente nada. E o que aconteceu nesse período que pudesse afundar Bolsonaro? Muita coisa. Mas digamos que ambos estejam próximos de uma zona de conforto para atravessar a fronteira até o segundo turno para o duelo mortal ao por-do-sol. O que explica, então, o Ibope de Carlos Augusto Montenegro me aparecer na noite de segunda, 01, com destaque no Jornal Nacional, dando novo fôlego ao capitão-maridão-fascistão – mesma fração de tempo em que Moro Dredd, o exterminador de petistas, faz Palocci refém e abre sua delação humilhada, e que Peruca Fux e Dias Toffoli suspendem a decisão do colega Lewandowski para impedir uma entrevista de Lula à Folha, restituindo a censura prévia no país (Leia o insuspeito Reinaldo Azevedo)? E, finalmente, a pergunta que não quer calar: você daria um cheque em branco a Montenegro, parceiro da TV Globo e do Estadão na pesquisa? Pois então, querida e querido eleitor, some pelo menos dois e dois antes de dar fé pública a uma pesquisa que contradiz todas as demais – anteriores e posteriores.

1415930588843
O que Montenegro fala – e seu instituto prevê – não se escreve. Em julho passado, o presidente do Ibope disse para O Globo: “Jair Bolsonaro perde para qualquer um no segundo turno. O voto do Bolsonaro não é ideológico de direita. É como o voto nulo, no Enéas ou no Tiririca.” O Ibope agora vê Bolsonaro e Haddad no segundo turno – e  publica pesquisa com o capitão em ascensão e empatando com Haddad no mata-mata. Você acredita em duendes?

Segundo o Ibope, Bolsonaro subiu 4 pontos (!) – opa, bem acima da margem de erro -, foi a 31% e abriu cabalísticos dez pontos de vantagem sobre Fernando Haddad. A rejeição a Haddad, segundo o Ibope, saltou em menos de uma semana de 27 para 38 pontos, encostado nos 44 de Bolsonaro (Leia). Que loucura, Ibope! Isso não é nem pulo, é salto com vara. Procurei no Google e não vi nenhuma cena de Haddad espancando uma freira, nem, como diria Eduardo Bolsonaro, defecando em praça pública. O que tivemos foram grandes manifestações anti-Bolsonaro no fim de semana. Mas para o Ibope, numa simulação de segundo turno, até o chuchu desidratado Geraldo Alckmin bate Bolsonaro (42% a 39%) – pensem nisso -, mas Haddad, lástima, apenas empata em 42%. Montenegro, então, multiplicou-se como o Multi-Homem do velho desenho “Os Impossíveis” – isso é da minha época, gente -, capaz de duplicar a si mesmo criando inúmeras cópias. Em almoço com empresários na Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), Montenegro disse que nunca viu eleição “tão esquisita” como a atual, e que não tem “a menor ideia de quem vai ser o presidente da República”. A um grupo de jornalistas disse que “a facada (em Bolsonaro) não mudou o quadro eleitoral”. Ao Antagonista, Montenegro disse que a eleição no segundo turno será uma disputa entre rejeições. “O PT tem que torcer noite e dia para enfrentar o Bolsonaro.” E por aí vai.

Esta última semana antes das eleições do próximo domingo, 7 de outubro, será marcada pela realização de pesquisas que, como na última semana, têm dado o tom e o ritmo das campanhas presidenciais. O problema do Ibope é que foge de todos os padrões. Ou descobriram a pólvora ou a molharam. Levantamento encomendado pelo banco BTG Pactual à FSB Pesquisa, divulgado na última semana, mostrou Bolsonaro com 35% dos votos válidos e Haddad com 27%. Peraí, mas no Ibope o candidato do PT não afundou para 21%? Ah, tá. Já pesquisa CNT/MDA, no domingo, 30, mostrou Bolsonaro e Haddad empatados pela 1ª vez na margem de erro, de 2,2 pontos percentuais. O militar e o petista têm 28,2% e 25,2% das intenções de voto, respectivamente. Peraí, gente, mas e o Ibope? E por aí vai. Daqui do nosso cantinho, muita curiosidade com a pesquisa Vox Populi/247, a primeira realizada por iniciativa dos eleitores e com questionário participativo. Ela será divulgada no próximo sábado, 06, às 20h. Nesta terça, 02, é dia de Datafolha. Na quarta, mais Ibope e Paraná Pesquisas. Na quinta, 4, Datafolha, Ipesp e DataPoder. Mesmo dia do último debate, na TV Globo, do qual Bolsonaro quer participar. E na sexta, 05, MDA, Ipesp e Paraná Pesquisas.

Quanta pesquisa, hem.

 

Lula é Haddad, Haddad é Lula, reconhece agora até o TSE. Mas vídeo não pode

1536585716_423498_1536590070_noticia_normal_recorte1
Haddad agora é Lula. Quer dizer, já era, mas agora o TSE autorizou

Fernando Haddad está virtualmente no segundo turno – e a pesquisa Ibope de quarta, 26, reforçou isso, com Jair Bolsonaro com 27%, Haddad com 21% e Ciro, nadando lá atrás, com respeitáveis, mas insuficientes, 12%. Lula está concretamente preso e inelegível — enquadrado na Lei da Ficha Limpa. Haddad assumiu a vaga de Lula na vigésima quinta hora. O PT resistiu o quanto pode para desistir da candidatura do ex-presidente – e foi criticado pela “estratégia arriscada”. Não era estratégia, era ética. Os entendedores entenderão. Os opositores criarão teses. Mas na eleição mais esquisita da moderna República brasileira, Haddad não podia dizer que é candidato de Lula – não sem controvérsia. Por que isso arrasta votos para Haddad, mais votos, o que é crucial desde que foi confirmado na cabeça de chapa — e Manuela D’Ávila na vice —, dando largada da operação em que o PT aposta todas as suas fichas nas eleições presidenciais: transferir ao menos parte do enorme capital político do ex-presidente para seu pupilo. Muitos ainda não o conhecem, só sabem que Lula, impedido, indicou alguém. No Nordeste, ele é “Andrade”. O sertão pernambucano onde Lula já teve 90% dos votos, o petista tem adesão mesmo sendo desconhecido. Como mostrou a Folha, muitos acham até que é filho de Lula. Ou ungido. Pensem bem, Haddad só foi oficializado no dia 11/09 – duas semanas atrás.

Pois a embalagem publicitária do “Haddad é Lula e Lula é Haddad” – nenhum outro partido tem interesse nisso, imagine um “Aécio é Alckmin” ou “Temer é Meirelles – só foi autorizada oficialmente agora pelo Tribunal Superior Eleitoral, num delay magnifico, permitindo, nesta quarta, 26, por 6 votos a 1, que a campanha do candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad, utilize como slogan “Haddad é Lula”. Ministros analisaram e rejeitaram uma representação apresentada pelo Partido Novo – de João Amoêdo, pródigos 3% no Ibope – questionando propagandas da coligação do PT. Eles decidiram que a assinatura não gera confusão entre os eleitores sobre quem é o presidenciável da legenda.

O relator, ministro Sérgio Silveira Banhos – nomeado por Michel Temer na vaga aberta pelo atual ministro efetivo do tribunal Admar Gonzaga -, foi o único voto contrário ao uso do logotipo e afirmou que a marca poderia provocar “confusão” no eleitor. “A presença do nome de Lula pode sim levar o eleitor a certa confusão, o que enseja a a pronta remoção do logotipo”, disse. Os ministros Edson Fachin, Jorge Mussi, Og Fernandes, Tarcísio Vieira de Carvalho e Rosa Weber, presidente do tribunal, defenderam que, como a lei não proíbe esse uso do nome de Lula, deveria prevalecer o princípio da liberdade de expressão.

Por outro lado, o TSE rejeitou recurso apresentado pela defesa do ex-presidente para Lula gravar áudios e vídeos para a propaganda eleitoral gratuita no rádio e na televisão.

candidatos-durante-o-debate-promovido-por-uol-folha-e-sbt-mediado-pelo-jornalista-carlos-nascimento-1538000982403_615x300
Mais um debate – agora UOL, Folha e SBT. Resta saber se ainda acrescentam algo para o eleitor. Bolsonaro “ameaça” participar dos próximos.

Nesta reta final da campanha, embora poucos tenham notado, teve até debate promovido por UOL, Folha e SBT, nesta quarta, 26, que rendeu ataques diretos entre candidatos, com frases e posicionamentos duros. Bolsonaro, ainda internado no Albert Einstein, não pôde ir. O candidato tem previsão de alta para agora, sexta-feira, e, segundo seu médico, ele poderá estar presente no debate da TV Record — que ocorre domingo —, assim como no da TV Globo, que será quinta que vem.

Haddad e Ciro trocaram cabeçadas. “Eu, francamente, se puder governar sem o PT, eu prefiro; porque, nesse momento, o PT representa uma coisa muito grave para o país, menos pelos benefícios, que não foram poucos, que produziu, mas mais porque transformou-se numa estrutura de poder odienta que acabou criando o Bolsonaro, essa aberração”, disse Ciro. “Acabo de ver o Ciro Gomes dizer que não pretende governar com o PT, mas, poucos meses atrás, me convidava para vice-presidente da sua chapa e chamava essa chapa de dream team, o time dos sonhos”, ironizou Haddad.

Bom, Cabo Daciolo foi Cabo Daciolo. Ele desceu o monte Céu Aberto, na Baixada Fluminense, onde estava em um retiro espiritual, para falar o que costuma falar. “Eu estou profetizando para a nação brasileira: eu vou ser o próximo presidente da República, para a honra e a glória do senhor Jesus, em primeiro turno, com 51% dos votos”. Se ele diz quem somos nós e os institutos para duvidar.

Haddad coloca um pé no Planalto, Bolsonaro emborca e terceira via implode

Pesquisa Ibope divulgada na noite desta segunda, 24, a 15 dias do pleito, com a indefinição do eleitorado desabando – brancos e nulos caíram de 29 pontos, em 20/08, para 12 pontos agora -, mostrou que Fernando Haddad, o candidato do PT e de Lula à Presidência, está com um pé no Palácio do Planalto. Todos os indicadores são favoráveis a ele. Para botar o segundo pé, terá que enfrentar o segundo turno com o capitão Jair Bolsonaro, que parece ter batido no teto, reduzindo a curva de crescimento e agora se estabilizando. Haddad, por outro lado, segue crescendo. A diferença entre Bolsonaro e Haddad caiu de 9% para 6%, aproximando-se da margem de erro. Há um mês, o “coiso”, nome carinhoso dado ao concorrente do PSL por quem evita até dizer seu nome, vencia o petista por 20% a 4%. Sim, o candidato do PT pode ultrapassar o candidato da direita já no primeiro turno. Haddad tem mais motivos para comemorar, e Bolsonaro para se agitar na cama – não vá abrir os pontos, capitão!. Bolsonaro caiu em todos os cenários do segundo turno e passa a perder de Haddad (43% x 37%), Ciro (46% x 35%) e até do picolé de chuchu (41% x 36%) -, empatando somente com a insossa Marina (39%). Ou seja, Ciro abriu 11 pontos em relação a Bolsonaro, Alckmin, 5%, e Haddad pela primeira vez passou Bolsonaro, abrindo avantajados 6 pontos.

Captura de tela inteira 24092018 205112.bmp.jpg

O índice de rejeição de Bolsonaro bateu o recorde de 46%, ou seja quase metade dos eleitores não votaria nele nem que ele deixasse a barba crescer e tivesse ceceio na fala. Com a polarização da disputa, e o antipetismo achando sua trincheira fardada, Haddad estabilizou nos 30% de rejeição, número histórico dos que dizem “detestar o PT” ou “não gostar do PT”. Outro um terço vota no PT, historicamente. O outro terço decide a eleição – daí a importância das alianças, que serão antecipadas e não esperarão o segundo turno. Isso porque a terceira via implodiu. Em 20/08, Marina Silva tinha 12%, Ciro Gomes 9% e Geraldo Alckmin, 7%. Ciro, Alckmin e Marina têm agora, respectivamente, 11%, 8% e 5%, como peixes se debatendo na areia.

Captura de tela inteira 24092018 203520.bmp.jpg
Fernando Haddad, perto de liderar as pesquisas de intenção de voto, visitou o ex-presidente Lula na superintendência da Polícia Federal, em Curitiba: conselhos e orientações no momento em que o PT vê chegar mais perto sua volta ao Planalto. Ele disse, em entrevista na saída, observar movimentos “exóticos” no Brasil, como “suposições” sobre urnas eletrônicas e resultados de eleições, já rebatidos por STF e TSE.

Até o fim da semana, quando sai o Datafolha, alguns movimentos políticos devem acontecer: o Centrão – DEM, PP, PR, PRB e SD – deve desembarcar de Alckmin, em parte rumo a Bolsonaro, e eleitores de Ciro e Marina começarão a migrar para Haddad, o chamado “voto útil” ou, no caso, antibolsonarista. Os rastejantes João Amoêdo (3%), Álvaro Dias (2%) e Henrique Meirelles (2%), mortos-vivos na campanha, junto com Guilherme Boulos (1%) podem surpreender se retirando e apoiando um dos candidatos, a um preço módico. No caso dos três primeiros, uma bala – doce! – para quem adivinhar o rumo dos candidatos dos banqueiros e da Lava Jato.

Captura de tela inteira 24092018 204341.bmp.jpg
Jair Bolsonaro, estacionado nas pesquisas e vendo Haddad pelo retrovisor preparar ultrapassagem, escreveu nas redes sociais que está acima dos partidos e postou foto, no hospital, recebendo visita de seu candidato ao Senado em São Paulo, Major Olímpio, que está levando uma sova do petista Eduardo Suplicy, e vídeo ao lado do patético Carlos Vereza. Ah, e deu “exclusiva” a Augusto Nunes garantindo que seu “atentado” foi político.

Captura de tela inteira 24092018 202126.bmp.jpg

A antecipação do Ibope, que só confirma o movimento das últimas pesquisas, já havia levado o paciente do Hospital Albert Einstein a balbuciar, pelas redes sociais, que sua equipe está “comprometida com interesses da nação e não com indicações de lideranças de partidos políticos”. Ou seja, vendo sua candidatura ir para o CTI, faz o tradicional discurso anti-democrático dizendo-se “acima dos partidos”. No fim da noite de domingo, coerente com sua estatura, o presidenciável que, se eleito, pode ter o ator pornô Alexandre Frota como ministro da Cultura, postou nas redes que os incentivos à cultura permanecerão, “mas para artistas talentosos, que estão iniciando suas carreiras e não possuem estrutura”. “O que acabará são os milhões do dinheiro público financiando ‘famosos’ sob falso argumento de incentivo cultural, mas que só compram apoio! Isso terá fim!”, afirmou no Twitter. Não, candidato, o fim é todo seu.

Captura de tela inteira 24092018 204738.bmp.jpg
Em entrevista a rádios, Geraldo Alckmin defendeu o aumento da pena para crimes hediondos. Crime hediondo é o que o Centrão prepara para o tucano até o final da semana. Vendo o candidato empacado, vai vazar pela porta dos fundos.

Mas o desespero de Bolsonaro pode ser medido pela “exclusiva” que deu para o jornalista (sic) Augusto Nunes (Aqui) no quarto em que está internado. Ao falar do ataque do maluco que o esfaqueou no último dia 6 de setembro, em Juiz de Fora, disse acreditar – sem nenhuma prova, mas para que prova, né? – que o ataque foi planejado. “Entendo que foi algo planejado. Foi político, não há a menor dúvida. Me tirando de combate… você pega os três ou quatro próximos na relação, eles são muito parecidos”, disse, fazendo referência às pesquisas de intenção de votos.

Datafolha diverge de Ibope e encolhe Haddad. Só Haddad.

Captura de tela inteira 20092018 004759.bmp
Haddad concede entrevista a Renata Lo Prete, no Jornal da Globo, e dessa vez consegue falar. Ele reconheceu a importância da figura de Lula na transferência de votos, mas lembrou a força do PT, repetiu que não haverá indulto ao ex-presidente (pauta criada pela mídia)  e disse que desconfia de “dois pesos e duas medidas” nos processos contra o PT e os demais partidos.

Fernando Haddad concedia uma entrevista ao Jornal da Globo – civilizadíssima sob o comando da âncora Renata Lo Prete, sem as interrupções seriais de William Bonner e Renata Vasconcellos no Jornal Nacional, alguns dias antes -, na madrugada de quinta, 20, enquanto o Datafolha vazava nos primeiros minutos do dia sua mais recente pesquisa de intenção de voto para a eleição presidencial. A pesquisa do Datafolha foi feita na terça, 18, e quarta, 19, enquanto a do Ibope, divulgada na véspera, aferiu a intenção de voto do eleitor entre domingo, 16, e terça, 18. Há, portanto, a coincidência de um dia entre as pesquisas, com a vantagem, em termos de atualidade, por assim dizer, para o Datafolha em relação a quarta. Ainda assim, a pesquisa mais recente parece ter um delay em relação à outra – o que certamente será explicado por Carlos Augusto Montenegro e Mauro Paulino como metodologia, conjuntura, etc. Afinal, a margem de erro é a mesma. Fato é que no Ibope não havia mais dúvida e Haddad, subindo em uma semana 11 pontos, alcançava 19%, deixando Ciro estacionado em 11%, praticamente cravando um segundo turno com Bolsonaro (28%). No novíssimo Datafolha, Bolsonaro tem os mesmos 28%, mas Haddad tem 16% e Ciro 13% – portanto, tecnicamente empatados. Entre uma pesquisa e outra, oito pontos de diferença viraram três. Não há diferença significativa entre as duas pesquisas em se tratando dos demais candidatos. Como nenhum fato novo explica um encolhimento de Haddad em um dia, há que se perguntar: quem está errado?

Captura de tela inteira 20092018 022428.bmp
Imagem postada por Jair Bolsonaro no Twitter. Dessa vez ele não falou, mas procurou passar para o eleitorado uma ideia de progressiva melhora, o que é essencial para que não o vejam como incapacitado e descarreguem o voto útil em Alckmin ou Marina.

Os intervalos das pesquisas não são idênticos – mas são próximos -, e é possível comparar  os espaços de tempo – levando em conta que o Datafolha tem uma pesquisa a mais. No Ibope, Haddad tinha 8% (11/09) e cresceu para 19% (18/09). No Datafolha, Haddad tinha 9% (10/09), data parecida, subiu para 13% (14/09) e, em seis dias, chegou a 16% (20/09). Não bate. Já no caso da rejeição, as pesquisas coincidem. No Ibope, Bolsonaro tem rejeição de 42% e Haddad de 29%. No Datafolha, 43% e 29% respectivamente. A diferença é que no Datafolha Marina tem rejeição maior que de Haddad (32%) e no Ibope menor (26%). Ainda assim, são 6% de diferença entre as pesquisas, acima da margem de erro. Nas simulações de segundo turno, e ficando apenas nos favoritos, o Ibope aponta um empate entre Haddad e Bolsonaro (40% cada) e Ciro (40% e Bolsonaro (39%). No Datafolha, Ciro ganha de Bolsonaro por boa margem, 45% a 39%. E Haddad e Bolsonaro empatam (41%).

Captura de tela inteira 20092018 022038.bmp
Ibope x Datafolha: repare que o encolhimento expressivo, na pesquisa mais recente, é apenas de Haddad. Alguém vai ter que explicar isso. Arte: Reprodução UOL.

Em outras palavras, pelo Datafolha/TV Globo, Haddad ainda não descolocou de Ciro e Ciro tem mais chance no segundo turno. E vem aí o Vox Populi para desempatar a peleja.

 

Com um pé no segundo turno, Haddad responde à truculência recomendando “carinho” com bolsonaristas

Capturas de tela2-001.jpg
Em um comício em frente à Catedral, no Centro de Florianópolis, Haddad arranca risadas imitando Lula, pede “carinho” com adversários e recomenda aos petistas responderem aos gestos de ódios dos bolsonaristas com um L de Lula

“Quando você vê um cara que está ali muito dilacerado, falando com o fígado, chama o cara para (tomar) um chope. Tenho certeza que resolve os problemas dele”.
Fernando Haddad, em Florianópolis, sugerindo que o incentivo ao “amor” é o que vai “unir o Brasil”.

Em sua maratona pelo país na reta final do primeiro turno – devidamente mapeada pelo comando de campanha, e, claro, por Lula -, Fernando Haddad, ao lado de sua vice Manuela D’Ávila, passou o começo da tarde de terça, 18, em Itajaí, onde conversou com pescadores da região Norte de Santa Catarina. Era sua primeira visita ao estado. Dali, seguiu para Florianópolis, onde realizou um comício em frente à Catedral, no Centro. Um homem diferente estava ali. Não apenas motivado pelos números frescos do Ibope (Assista aqui o vídeo do Jornal Nacional), que praticamente o colocam no segundo turno – subindo nada menos que 11 pontos em uma semana, e chegando a 19% (contra 11% de um estacionado Ciro), como adotando um novo tom, mirando em seu inevitável opositor no segundo turno (Bolsonaro, que foi de 26% para 28% no Ibope, dentro da margem de erro de dois pontos), pero sin perder la ternura jamás. As milhares de pessoas que ali pararam para ouvir Haddad viram seu candidato criticar as declarações estapafúrdias da chapa pura-farda, condenar o clima de “violência e intolerância” das eleições, mas fazer uma doce recomendação. Aconselhou a militância petista a “virar o voto” de eleitores de Bolsonaro, e dos indecisos, com “carinho”.

Capturas de tela2
William Bonner, no Jornal Nacional, cumpre a difícil missão de informar que, segundo o Ibope, Haddad cresceu 11 pontos em uma semana, descolou de Ciro Gomes e aproxima-se de Bolsonaro, que oscilou na margem de erro.

A militância respondeu com gritos de “Ele não!”, a campanha nas redes sociais que prega não votar no capitão. Os usuários também tem bombado o Twitter com a curiosa hashtag “meu bolsominion secreto”, sempre completando a frase com o relato de algum esqueleto no armário dos eleitores da dupla de coturno. “#meubolsominionsecreto quer ditadura militar, mas é a favor da liberdade de expressão”, postou um eleitor, seguindo a linha irônica. Os eleitores de Bolsonaro responderam com outra hashtag, com igual sucesso, #QuemMandouMatarBolsonaro – incentivando outra teoria conspiratória. A campanha Haddad-Manu também tem se preocupado com a onda de fake news, desde as que inventam falsos apoios de celebridades a Bolsonaro, como de Arnaldo Jabor, Padre Marcelo Rossi e Silvio Santos, como as que espalham que o número de Haddad é 17 (número de Bolsonaro) e não 13, e que Manuela D’Ávila tem o corpo coberto de tatuagens de Che Guevara e Lenin. Nenhum problema se tivesse, mas não tem. Compartilhada pelo WhatsApp, pelo Twitter e pelo Facebook, a imagem foi manipulada digitalmente para a inserção de desenhos dos líderes comunistas na pele da deputada estadual do Rio Grande do Sul. Tão amador que merecia o prêmio Paintbrush do ano.

Captura de tela inteira 19092018 004527.bmp
À esquerda, a foto original, real, e à direita, a montagem grotesca, manipulada digitalmente, e distribuída pelas redes sociais, mostrando falsas tatuagens de Che Guevara e Lenin no corpo de Manuela D’Ávila. Sem falar na faixa presidencial..

De fake em fake, circulou pelas redes nas últimas horas um suposto áudio de Bolsonaro – a voz era idêntica – distribuindo impropérios, inclusive contra seu vice. “Me tirem logo daqui. A gente tem uma eleição pra ganhar. Eu quero sair daqui. O fdp subindo pra caralho e eu aqui preso”, esbraveja. Fake news? Talvez. Mas Mourão virou um problema para Bolsonaro, desqualificando-o publicamente ao sugerir que sua fala sobre urnas eletrônicas fosse relevada. Segundo a Folha de S.Paulo, integrantes do núcleo duro da campanha de Bolsonaro fizeram uma reunião para tentar unificar o discurso e “tutelar” o vice do presidenciável.

Capturas de tela2-002
O staff do capitão presidenciável quer “tutelar” o vice general. Alguém paga para ver essa cena?

Haddad estava muito à vontade, em Florianópolis, e até imitou a maneira de falar do ex-presidente Lula (Assista aqui), no que foi ovacionado pelos presentes, que mesclaram gritos de “Haddad! Haddad!” e “olê olê olê olá, Lula, Lula”. Não muito longe dali, na carceragem da sede da Polícia Federal em Curitiba, onde Lula é mantido como preso desde 7 de abril, o ex-presidente mandou um recado para o seu visitante do dia. “Lula quer ver reconhecida a sua inocência e não quer saber de indulto”, disse o deputado Wadih Damous, ex-presidente da OAB RJ. Adversários políticos, e a imprensa, tem estimulado uma crise na capanha petista sobre um eventual indulto de Haddad a Lula, o que o próprio candidato já negou, inclusive em entrevista ao G1 e CBN (Ouça aqui). Ainda assim, o portal publicou uma matéria intitulada “Indulto a Lula transforma-se em maior fantasma de Haddad” (Leia aqui).

Outra má notícia para Bolsonaro: na noite de ontem, o plenário do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rejeitou, por unanimidade, 11 ações da campanha de Bolsonaro contra programas de Haddad e Alckmin. O Candidato do PSL questionou a participação do ex-presidente em uma das propagandas do candidato Haddad. Também foram negadas dez representações de Bolsonaro contra propagandas do candidato do Geraldo Alckmin. Ministros afirmaram que Lula pode aparecer em imagens de arquivo. “A pena de proibição de aparição seria acrescentar pena de banimento à conclusão que trilhamos no processo de registro de candidatura”, afirmou o ministro Tarcísio Vieira.