FHC e sua carta com tinta invisível

Imagine uma briga de rua, onde dedo no olho e joelhada nos, digamos, bagos, são os golpes mais leais. Após algum tempo, só três valentões continuam de pé, dois em melhor estado, todos exaustos. De repente, um conhecido passa e, mantendo uma distância segura, começa uma pregação por paz e união, dirigida a quem jazia no chão. O bom samaritano já observava a cena desde o início, mas achou melhor só se aproximar quando estivessem todos muito cansados para correr atrás dele. Guardadas as diferenças entre a porrada a céu aberto e as eleições presidenciais em curso – desculpem, não resisti à comparação -, o generoso senhor é o ex-presidente tucano Fernando Henrique Cardoso que, como por encanto, reapareceu em cena – na forma de uma carta – para pedir a união do centro político – aqueles que “não se aliam a visões radicais” – no pleito mais surreal das últimas décadas. Divulgar uma carta dessas quando facada, porrada e bomba já comem soltas, e faltando 17 dias para brasileiras e brasileiros irem às urnas, equivale a escrever o melhor poema da história numa ilha deserta, jogar no mar e ver que, em segundos, a garrafa fora engolida por uma baleia.

fhc-1-768x420
FHC e sua carta para boi dormir. Nem Alckmin levou a sério. (Twitter/Reprodução)

Confesso que cheguei a pensar que se tratava de uma fake news, mas, se for, todos embarcamos nela, o que, na prática, torna a notícia real. Sem citar nomes – para que, né -, FHC pediu um acordo de apoio a quem “melhores condições de êxito eleitoral tiver” — caso contrário a “crise tenderá certamente a se agravar”. O ex-presidente não especifica quem seriam os candidatos moderados, mas não é preciso ser genial para eliminar Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT) – os “tais radicais”. Ou como, curiosamente, escreveram Época e IstoÉ em suas matérias de capa, a “polarização” entre o antipetismo e o antibolsonarismo. Deduz-se que a conciliação segundo FHC esteja em Geraldo Alckmin (PSDB), Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB) e Alvaro Dias (Podemos). Ciro Gomes (PDT)?. Ele não veste a carapuça. “É muito mais fácil um boi voar de costas. O FHC não percebe que ele já passou. A minha sugestão para ele, que ele merece, é que troque aquele pijama de bolinhas que está meio estranho por um pijama de estrelinhas”, debochou Ciro Gomes, em campanha no DF.

Captura de tela inteira 22092018 000006.bmp
No dia seguinte ao debate promovido pela CNBB, em Aparecida, Ciro Gomes fez uma visita à Catedral Basílica de Nossa Senhora Aparecida. “A minha sugestão para ele (FHC), é que troque aquele pijama de bolinhas que está meio estranho por um pijama de estrelinhas”. (Foto: Reprodução/Twitter)

Mais sutil, Marina Silva disse que “fazer um discurso para que haja uma união e dizer que o figurino cabe no candidato do seu partido talvez não seja a melhor forma de falar em nome do Brasil”. O ex-tucano Alvaro Dias sugeriu, em tom irônico, que o primeiro passo rumo à unificação das forças de centro deveria ser a renúncia à candidatura de Alckmin. Ah, Alckmin elogiou a carta publicada por Fernando Henrique, mas disse que não vai seguir a sugestão do ex-presidente. “Não vou procurar candidatos. A ideia é uma reflexão junto ao eleitorado”, desdenhou o tucano, em campanha em Recife. “A carta de FHC chegou tarde. Ao lado do túmulo da candidatura de Alckmin, enterraram-se as esperanças do ex-eleitorado tucano. No epitáfio, lê-se o seguinte: “Não contem mais comigo”, interpretou o analista Josias de Souza (Leia aqui).

Captura de tela inteira 21092018 235305.bmp

Captura de tela inteira 21092018 235606.bmp
FHC, no Twitter, depois de divulgar carta no Facebook: tentando explicar o que não deveria exigir explicação

Pouco depois de divulgar o texto no Facebook (Leia aqui), FHC reafirmou no Twitter o apoio a Alckmin. “Enviei carta aos eleitores (oi?) pedindo sensatez e aliança dos candidatos não radicais. Quem veste o figurino é o Alckmin, só que não se convida para um encontro dizendo ‘só com este eu falo'”, tuitou FHC. O candidato do PSDB – embora tenha quase metade do tempo de propaganda eleitoral na TV -, está estagnado nas pesquisas de intenção de voto e não tem conseguido deslanchar para poder brigar por um lugar no segundo turno. Em entrevista na Folha de S.Paulo no dia 02/09, o ex-presidente tucano afirmou que Bolsonaro antecipou a tradicional disputa entre PT e PSDB para o primeiro turno. Alguém mais viu isso?

43323006775_4e3a46475f_z
Avanço impressionante: Pesquisa DataPoder360, do portal Poder 360  já mostra Haddad tecnicamente empatado com Bolsonaro no primeiro turno. (Foto: Ricardo Stuckert/PT)

Voltando à briga de rua, talvez FHC não estivesse se dirigindo aos moribundos candidatos de centro – mas aos que seguem de pé. Quer dizer, menos Bolsonaro. No mundo real, depois de Ibope e Datafolha, Pesquisa DataPoder360, do portal Poder 360 (Leia aqui), realizada nos dias 19 e 20/09, divulgada na noite desta sexta, 21, indica que Jair Bolsonaro tem 26% das intenções de voto para presidente e permanece na liderança da corrida ao Palácio do Planalto. A novidade é que agora Fernando Haddad registra 22% e já aparece em empate técnico com o capitão. Ciro tem 14%. Os “centristas” de FHC – Alckmin, Marina, Meirelles, Amoêdo e Álvaro Dias somam, juntos, 17%. Votos brancos, nulos e indecisos estão em queda.

Um comentário em “FHC e sua carta com tinta invisível

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s